Município de São Caetano

Anivérsário: 11 de setembro
Fundação: 02 de maio de 1844
Gentílio: são-caetanense
Prefeito: Jadiel Codeiro Braga
CEP: 55130-000

Localização

Unidade federativa: Pernambuco
Mesoregião: Agreste de Pernambuco
Microregião: Vale do Ipojuca
Municípios limítrofes: Caruaru, Tacaimbó, Altinho, Cachoeirinha, Brejo da Madre de Deus e Belo Jardim
Distância até a capital: 148 km

Características Geográficas

Área: 382,475 km²
População: 36 626 hab. (PE: 51º) – estatísticas IBGE/2014
Densidade: 95,76 hab./km²
Altitude: 552 m
Clima: Tropical
Fuso horário: UTC−3

A povoação do município tem início em 1838 com a chegada do senhor José Pedro de Pontes, proveniente do município pernambucano de Bezerros. Primeiramente ele estabeleceu-se onde hoje se localiza a sede municipal. No ano seguinte, ergueu uma igreja sob a inovação do São Caetano de Thiene com bênção da imagem do padroeiro feita por um vigário do município de Altinho.

Posteriormente, desenvolveu-se um povoado ao redor do templo, de modo que, em 1844, o povoado foi elevado à categoria de freguesia, denominada Freguesia de São Caetano, e criado o distrito homônimo, pertencente ao município de Bezerros. Mais tarde, a sede da freguesia foi transferida para o povoado de Caruaru, elevada à Matriz, retornando a sua situação anterior em 1859. A localidade tornou-se vila em 1909. Dois anos depois, o distrito de São Caetano passou a integrar parte do território do município de Caruaru.

Localização

São Caetano localiza-se no interior do estado de Pernambuco, no agreste pernambucano. Está a uma altitude média de 552 metros acima do nível do mar. O município abrange uma área territorial de 382,4 quilômetros quadrados. São Caetano faz limite com os municípios de Brejo da Madre de Deus ao norte, ao sul com Altinho e Cachoeirinha, com Caruaru a leste, e a oeste com Belo Jardim e Tacaimbó.

População

O município possui 35.416 habitantes (densidade demográfica de 92,6 hab/km²), segundo estimativas do IBGE em 2011. Em 1991 a população era estimada em 29.598 habitantes, ou seja, em vinte[9] anos houve um aumento de 5.818 pessoas. Em 2000 o Índice de Desenvolvimento Humano era de 0,580, considerado mediano.

Clima

São Caetano está situado em uma área de clima tropical do tipo semiárido, mas que devido a altitude modesta apresenta um quadro de aridez menos severa.

Durante o inverno, há muitos dias nublados e chuvosos, mas a chuva geralmente é leve, então o acumulado não é grande. Devido a esses dias nublados, a temperatura pouco varia ao longo do dia. Às vezes, massas de ar atingem a região e faz a temperatura cair muito durante a madrugada.

Subdivisões

Em São Caetano está localizado o povoado de Garrote Velho.

Fundação Música e Vida de São Caetano

APRESENTAÇÃO

A Fundação Música e Vida de São Caetano é uma instituição sem fins lucrativos e atualmente é a sede do Ponto de Cultura Música Vida e Continuidade, (Parceria com a FUNDARPE/ Órgão Governamental). Idealizada pelo Maestro Mozart Vieira, símbolo de luta e resistência cultural em defesa dos menos favorecidos, através da Arte Musical.

Inaugurada em outubro de 1993, escola de música do interior do Estado de Pernambuco é situada na rua Pedro Torres de Abreu, 31, no município de São Caetano.

Seu objetivo é promover a educação e a profissionalização musical de crianças e jovens de baixa renda da rede pública de ensino, com idade média entre 05 (cinco) a 18 (dezoito) anos, de São Caetano e região.

A Fundação Música e Vida de São Caetano busca melhor integrar estas crianças e jovens nos seus âmbitos familiar e escolar, através da prática musical, preparando para o mercado de trabalho, através da formação técnica-pedagógica oferecida.

HISTÓRIA

No ano de 1978, em São Caetano – PE, na região nordeste do Brasil, o jovem maestro Mozart Vieira, originário de uma família tradicional de músicos instrumentistas, tem a ideia de utilizar a música como um veículo de socialização de menores de baixa renda.

Desta forma, crianças e jovens da cidade e da zona rural, descobrem a teoria da música e a arte de cantar e tocar um instrumento. Este trabalho tem como objetivo resgatar o caráter político sociocultural destas crianças e jovens.

A Banda Sinfônica do Agreste, conhecida atualmente como Banda dos Meninos de São Caetano, nasce em 1987 e é fruto desta iniciativa. A Banda de São Caetano conhece o auge de sua popularidade no país na década de 90, viajando e tornando-se conhecida por quase todo o país e exterior.

 

FILOSOFIA

Contribuir, através da Educação Musical, para a formação de cidadãos conscientes, com caráter cívico e moral elevado, preservando em sua plenitude humanística a competência técnico artístico musical, entendendo que a música tem efeito transformador em suas vidas.

MUSEU HISTÓRICO

Além do vasto conteúdo de São Caitano, o museu apresenta um grande acervo cultural e histórico sobre o Sertão nordestino, Agreste e Zona da Mata, apresentando o estilo de vida dos sertanejos.

O visitante pode encontrar material sobre a Guerra de Canudos, Antônio Conselheiro, Luiz Gonzaga, Padre Cícero, o poeta José Marcolino, Patativa do Assaré, Zumbi dos Palmares, além de amplo histórico sobre o cangaço brasileiro, inclusive com vídeos originais da rotina do cangaceiro Lampião e seu bando, etc.

A Banda Sinfônica do Agreste, conhecida atualmente como Banda dos Meninos de São Caetano, nasce em 1987 e é fruto desta iniciativa. A Banda de São Caetano conhece o auge de sua popularidade no país na década de 90, viajando e tornando-se conhecida por quase todo o país e exterior.

O museu de São Caetano é, hoje, uma larga fonte de conhecimento para trabalhos escolares e estudos dos mais diversos tipos. Diariamente recebe turmas de escolas, faculdades, turistas e moradores da cidade.

O acervo histórico do museu é rico em objetos e artefatos que fizeram e fazem parte da história do Município desde a sua fundação até os dias de hoje. Além das fotografias, documentários, fitas de vídeo, etc.

Muitas peças históricas vindas de outras cidades do Estado, que contribuem para a história, além dos documentários escritos, muitas literaturas do passado e literaturas atuais, muitas reportagens e documentários em vídeo, estão à mostra.

Além disso, objetos históricos, como um despachador de café que era usado nas décadas passadas, quando a cidade de São Caetano já contribuía muito para o crescimento do Estado através dos seus cafezais, estão expostos.

PEDRA DO CACHORRO

Na paisagem seca da caatinga, destaca-se a Pedra do Cachorro, afloramento rochoso de 475 metros de altura – um grande desafio para aventureiros e amantes dos esportes radicais.

Este é o cenário da terceira Reserva Particular do Patrimônio Natural de Pernambuco, uma propriedade de 23 hectares, dos quais 18 foram transformados em unidade de conservação. O título de RPPN foi concedido pela Agência Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (CPRH) em junho de 2002, devido a bela paisagem natural encontrada na fazenda, além da diversidade da fauna e da flora da região.

Após a titulação, o proprietário, Guaraci Cardoso, assinou um termo de compromisso, assumindo a responsabilidade pela preservação da reserva, um dos requisitos exigidos pelo Decreto Estadual nº 19.815/97, que regulamenta a criação de unidades de conservação de caráter particular em Pernambuco.
Além do valor paisagístico, o levantamento botânico da região, embora tenha sido realizado num curto período de tempo, identificou espécies como a catingueira, o araçá nativo e o angico-de-caroço, espécies de porte médio, presentes em fragmentos bem conservados da vegetação.

CRUZEIRO

O Cruzeiro de Padre Cícero e Frei Damião foi construído no ano de 1984, há cerca de cinco quilômetros do centro de São Caitano e é referência religiosa na cidade.

O início das peregrinações foi marcado pelo réveillon de 1899 para 1900, quando alguns fiéis católicos ergueram no alto da serra uma cruz. A data foi escolhida por ser considerada como tempo forte.

Hoje, mais de cem anos depois, ainda podemos perceber a consistência da tradição: São centenas de fiéis que saem de suas casas durante a madrugada da Sexta-Feira Santa para acompanhar a Via Sacra, meditando as 14 estações da morte e paixão do Senhor.

Durante todo o dia da sexta-feira a Igreja é aberta aos fiéis. A partir das 15hs, que é a hora em que Cristo morreu começa a celebração da Paixão, e em seguida a procissão com a imagem do Senhor morto, seguindo pelas principais ruas e avenidas, arrastando grande número de pessoas.